Governo será responsável pelo desmonte da Chesf
09/04/2010, 11:32
Filed under: Notícias

Foto: Gilberto Nascimento

Em matéria Publicada no Jornal da Câmara, e em discurso no Plenário da Câmara nesta quinta (08/04), André de Paula considera “nebulosa e intervecionista” decisão que esvazia a Companhia Hidrelétrica do São Francisco.

Acesse a íntegra do Discurso de André de Paula!

Jornal da Câmara/PLENÁRIO
Sexta-feira, 09 de abril de 2010
Governo federal será responsável pelo desmonte da Chesf, critica André de Paula

A proposta do governo federal de transformar a Eletrobrás em uma megacompanhia global semelhante à Petrobras provocará o desmonte da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), segundo avaliação do deputado André de Paula (DEM-PE). Caso as mudanças na Eletrobrás se confirmem, disse o parlamentar, a Chesf, que é uma das empresas subsidiárias do grupo, perderá autonomia e acabará esvaziada.
“O esvaziamento da estatal é inaceitável e inexplicável. Basta observar os números: o lucro da Chesf no ano passado foi de R$ 764 milhões; já o da Eletrobrás, sua controladora, de R$ 170 milhões. Ou seja, a filial ganha quase cinco vezes mais que a matriz”, disse.
Intervenção – André de Paula também classificou como “nebulosa e intervencionista” a decisão da Eletrobrás que obrigou a Chesf a renovar automaticamente, até 2015, contratos de fornecimento de energia a grandes empresas. Segundo o deputado, isso gerou perdas de R$ 350 milhões aos cofres da estatal nordestina. “Essa ação patrocinada pelo governo federal beneficiou com energia mais barata companhias como a Vale, a Braskem, a Dow Química, a Gerdau, a Caraíba Metais, a Novellis e a Ferbasa”, enumerou.
Citando artigo publicado pelo jornalista Saulo Moreira no Jornal do Commercio, o deputado explicou que antes que os contratos atuais vencessem – e portanto fossem reajustados – o então ministro de Minas e Energia Edison Lobão articulou a renovação dos documentos com base nos preços antigos.
Dilma Rousseff – O parlamentar lembrou que o processo vigente de reestruturação do setor elétrico foi elaborado por Dilma Rousseff, quando era ministra de Minas e Energia. “Dilma é a verdadeira ‘madrasta’ do esvaziamento da Chesf. Agora, essa política é coordenada pelo atual presidente da Eletrobrás, José Antônio Muniz, que é apadrinhado do senador José Sarney”, sustentou.
André de Paula informou que a bancada pernambucana realizou em Recife (PE), na segunda-feira (5), um ato público suprapartidário em defesa da Chesf. A mobilização contou com a presença de funcionários da companhia e sindicalistas. “Defendemos que a Chesf continue cumprindo seu papel histórico de contribuir para o desenvolvimento de Pernambuco e do Nordeste. Para isso, é fundamental que a empresa seja fortalecida, e não fragilizada como pretendem alguns burocratas do setor elétrico. Exigimos respeito ao patrimônio econômico, histórico e cultural, e à memória de todos que se dedicaram à construção desta notável instituição”, disse.
O deputado cobrou ainda uma postura mais ativa do governador do estado, Eduardo Campos, em prol da companhia. “Se ele continuar inerte, poderá entrar para a história como o governador que consentiu o esvaziamento de tão tradicional e estratégica empresa estatal”, afirmou.

Anúncios

Deixe um comentário so far
Deixe um comentário



Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: